facebook

segunda-feira, 11 de agosto de 2014

queima com redução de oxigenio



 Hoje abrimos o forno.

Queima a gás a 1280 graus.

As peças estavam mais escuras e com um efeito de esmalte mais granulado. Os tons de verde (oxido de cobre) estavam entre um marrom e um marrom avermelhado.

Por que isso acontece?

A explicação é a falta de oxigênio durante a queima.

A atmosfera reduzida em oxigênio dentro do forno, define tonalidades diferentes de quando esta atmosfera é rica em oxigênio.

Este pode ser um efeito produzido e voluntário que se obtêm fechando as entradas (espias) e saídas (chaminé) de ar.

Ou pode ser um efeito inesperado quando se limpa e desobstrui os maçaricos e a entrada de ar para a combustão fica diferente do que era.
veja esta outra postagem

Ai ai ai.....o forno estava cheio de peças dos alunos.

Tomara que todos gostem!












O que acontece quando o esmalte não atinge a temperatura?


Os esmaltes cerâmicos (vidrados) são composições feitas a partir de uma mistura de minerais que a uma determinada temperatura começam a fundir.
Esta mistura contém minerais refratários e minerais fundentes na exata proporção para a temperatura de fusão do esmalte.
Quanto mais alta a temperatura de queima, mais alta a quantidade de minerais refratários, quanto mais baixa, maior a quantidade de fundentes.


Normalmente os esmaltes têm uma faixa de tolerância de temperatura que varia bastante. Para os esmaltes industrializados esta faixa costuma ser maior e pode ter uma variação as vezes maior que 200 graus.

Aqui no atelier eu produzo os esmaltes que usamos a partir de fórmulas que desenvolvi. A faixa de tolerância de temperatura é pequena.  Uns 20 graus.

Mas o que acontece se por algum motivo a queima não atingir a temperatura?

Foi o que aconteceu a semana passada. Depois de 14 horas de queima no forno a gás a pressão dos maçaricos não foi suficiente para elevar a temperatura até os 1280 graus necessários para fundir o esmalte.

As peças ficam esbranquiçadas e ásperas.




Mas tirando a raiva e o gasto com gás de tantas horas de queima inútil, não há problema .
As peças podem ser queimadas 2, 3 vezes.
Foi o que fiz.
Limpei e desobstruí os queimadores e reabasteci meus bujões de gás (2 P180 ligados em paralelo) 
Mais 14 horas de queima e tudo ficou lindo!




segunda-feira, 9 de junho de 2014

Visita do colégio Integral de Campinas ao atelier

No final de maio e começo de junho recebi aqui no atelier a visita de três turmas de primeiro ano dos colégios Integral de Campinas e Paulínia, num total de 60 crianças na faixa dos 6 anos de idade.
Que delícia foi receber essas crianças tão interessadas e motivadas!
A proposta da visita foi mostrar o que é a cerâmica e as várias possibilidades que ela permite.
Conversamos bastante sobre argila, queima e o próprio espaço do atelier.
A curiosidade deles era enorme.
Até minha casa e o que tem dentro dela acabou fazendo parte da visita!
Mas a parte importante do projeto foi "por a mão na massa".
Eles imprimiram e desenharam em plaquinhas quadradas de 9 cm, usando carimbos diversos, folhas, pedrinhas e estecas do atelier. Uma delícia!
Essas 60 plaquinhas vão ser agora queimadas e vitrificadas a 1280 graus para serem devolvidas.
.....A espera faz parte do processo da cerâmica e tenho certeza que eles compreenderam isso.
Fico muito feliz em poder contribuir com meu trabalho para ampliar a ideia que essas crianças lindas possam ter do que é arte e como ela pode estar integrada ao espaço e à própria maneira de viver.

As fotos foram feitas por Priscila Arcuri  de fococriativoimagem.com.br
Obrigada Pri! Ficaram lindas!!!!!


A chegada
















Conversa sobre cerâmica





Muitas coisas para ver







Os fornos e as queimas



  



A preparação para o trabalho





 Com as mãos na massa












E mais um pouco de conversa muito boa






Hora do lanche





Eu adorei tudo! menos a hora de falar tchau.....







Dia 27-05-2014




 Dia 29-05-2014



 Dia 04-06-2014