facebook

sexta-feira, 26 de setembro de 2014

Meus alunos são demais!

Estas são algumas fotos das ultimas peças produzidas por alguns dos alunos do atelier.
Tudo é modelado a mão, utilizando 3 técnicas básicas: pinch, placas e rolinhos
Houve uma primeira queima a 800 graus e depois o trabalho de pintura com óxidos e esmaltes coloridos. Por cima desse trabalho aplicamos o esmalte transparente com o compressor. 
A queima é feita em forno a gás e atinge a temperatura de 1280 graus depois das 14 horas de queima!
Nesta temperatura os objetos são totalmente livres de toxidade e próprios para o uso culinário, podendo ser levados ao forno, microondas e lava louças. 

Dedicação, persistência, envolvimento e muita criatividade!
PARABÉNS MEUS QUERIDOS, VOCÊS SÃO DEMAIS!!!!!

Raquel Mozaquatro

Isa Faria

Ana Américo
Virgínia Dakusaku
Mikaela Yoon
Luisa Barata
Ariane Dorigon
Regina Andrade

Vitor Nascimento
Valquiria Barnese
Tihoko Yonamine
Isa Faria
Regina Andrade
Bete Wilson





Inês Saraivasauer
Lígia Thome

Cristina Laurito


Ariane Dorigon








Mara Jorge

Valéria Verzani
Rita de Cássia


Denise Leonardo


Maria Nascimento



Mikaela Yoon
Wilson Aguiar Neto



Ana Américo

quinta-feira, 4 de setembro de 2014

Secagem e queima na cerâmica

Olá amigos,


Uma dúvida muito frequente é por que algumas peças trincam ou empenam na secagem e as vezes até explodem no forno.


A resposta está na perda de água da argila.

Do momento em que a peça de argila é feita até a sua transformação em cerâmica, onde ela se torna irreversivelmente dura, acontece uma grande perda de água. Isso provoca um encolhimento (retração) da ordem de 5 a 8%.
Podemos reduzir um pouco essa retração acrescentando chamote (cerâmica refrataria triturada)  por exemplo, mas a massa vai ficar mais áspera, menos plástica e sobretudo mais porosa.

Então o que fazer?

- Evitar o máximo possível bolhas de ar no momento da amassar o barro e na modelagem das peças.
O ar preso dentro da argila vai buscar uma maneira de escapar quando sofrer a pressão da retração!
veja como amassar a argila

-Procurar manter uma espessura proporcional e uniforme nas peças.
Não existe regra em cerâmica, mas peças grandes e muito finas empenam mais. E também existe uma deformação bem visível quando há partes grossas e partes muito finas. Neste caso a secagem tem que ser bem mais cuidadosa.

-Secagem lenta por igual.
Se um lado ou uma parte da peça secar primeiro, esta parte diminui de volume mais rápido que o resto, causando uma tensão que leva a deformação ou a trinca.

-Queima lenta e com a peça absolutamente seca.
 Pode-se notar que mesmo as peças parecendo completamente secas, nas primeiras horas da queima de biscoito, que normalmente atinge os 800, 900 graus, há uma grande liberação de vapor. O aquecimento das peças no forno acontece de fora para dentro, já a evaporação da água acontece de dentro para fora. Com o aquecimento rápido, a parede externa retrai primeiro, fechando os poros da superfície e dificultando a saída de água do interior. É o mesmo que acontece com as bolhas de ar. A retração causa tensão.

Aqui no atelier a queima de biscoito é feita em oito, nove horas. Sempre pré aqueço o forno já cheio para ter certeza que tudo está bem seco lá dentro. E redobro esse cuidado em dias de chuva!

Ah esqueci de dizer que se estiver trabalhando com placas, a maneira de abri -las é muito importante!
Mas este é assunto para um outro post.







segunda-feira, 11 de agosto de 2014

queima com redução de oxigenio



 Hoje abrimos o forno.

Queima a gás a 1280 graus.

As peças estavam mais escuras e com um efeito de esmalte mais granulado. Os tons de verde (oxido de cobre) estavam entre um marrom e um marrom avermelhado.

Por que isso acontece?

A explicação é a falta de oxigênio durante a queima.

A atmosfera reduzida em oxigênio dentro do forno, define tonalidades diferentes de quando esta atmosfera é rica em oxigênio.

Este pode ser um efeito produzido e voluntário que se obtêm fechando as entradas (espias) e saídas (chaminé) de ar.

Ou pode ser um efeito inesperado quando se limpa e desobstrui os maçaricos e a entrada de ar para a combustão fica diferente do que era.
veja esta outra postagem

Ai ai ai.....o forno estava cheio de peças dos alunos.

Tomara que todos gostem!












O que acontece quando o esmalte não atinge a temperatura?


Os esmaltes cerâmicos (vidrados) são composições feitas a partir de uma mistura de minerais que a uma determinada temperatura começam a fundir.
Esta mistura contém minerais refratários e minerais fundentes na exata proporção para a temperatura de fusão do esmalte.
Quanto mais alta a temperatura de queima, mais alta a quantidade de minerais refratários, quanto mais baixa, maior a quantidade de fundentes.


Normalmente os esmaltes têm uma faixa de tolerância de temperatura que varia bastante. Para os esmaltes industrializados esta faixa costuma ser maior e pode ter uma variação as vezes maior que 200 graus.

Aqui no atelier eu produzo os esmaltes que usamos a partir de fórmulas que desenvolvi. A faixa de tolerância de temperatura é pequena.  Uns 20 graus.

Mas o que acontece se por algum motivo a queima não atingir a temperatura?

Foi o que aconteceu a semana passada. Depois de 14 horas de queima no forno a gás a pressão dos maçaricos não foi suficiente para elevar a temperatura até os 1280 graus necessários para fundir o esmalte.

As peças ficam esbranquiçadas e ásperas.




Mas tirando a raiva e o gasto com gás de tantas horas de queima inútil, não há problema .
As peças podem ser queimadas 2, 3 vezes.
Foi o que fiz.
Limpei e desobstruí os queimadores e reabasteci meus bujões de gás (2 P180 ligados em paralelo) 
Mais 14 horas de queima e tudo ficou lindo!




segunda-feira, 9 de junho de 2014

Visita do colégio Integral de Campinas ao atelier

No final de maio e começo de junho recebi aqui no atelier a visita de três turmas de primeiro ano dos colégios Integral de Campinas e Paulínia, num total de 60 crianças na faixa dos 6 anos de idade.
Que delícia foi receber essas crianças tão interessadas e motivadas!
A proposta da visita foi mostrar o que é a cerâmica e as várias possibilidades que ela permite.
Conversamos bastante sobre argila, queima e o próprio espaço do atelier.
A curiosidade deles era enorme.
Até minha casa e o que tem dentro dela acabou fazendo parte da visita!
Mas a parte importante do projeto foi "por a mão na massa".
Eles imprimiram e desenharam em plaquinhas quadradas de 9 cm, usando carimbos diversos, folhas, pedrinhas e estecas do atelier. Uma delícia!
Essas 60 plaquinhas vão ser agora queimadas e vitrificadas a 1280 graus para serem devolvidas.
.....A espera faz parte do processo da cerâmica e tenho certeza que eles compreenderam isso.
Fico muito feliz em poder contribuir com meu trabalho para ampliar a ideia que essas crianças lindas possam ter do que é arte e como ela pode estar integrada ao espaço e à própria maneira de viver.

As fotos foram feitas por Priscila Arcuri  de fococriativoimagem.com.br
Obrigada Pri! Ficaram lindas!!!!!


A chegada
















Conversa sobre cerâmica





Muitas coisas para ver







Os fornos e as queimas



  



A preparação para o trabalho





 Com as mãos na massa












E mais um pouco de conversa muito boa






Hora do lanche





Eu adorei tudo! menos a hora de falar tchau.....







Dia 27-05-2014




 Dia 29-05-2014



 Dia 04-06-2014